Os rapazes do rio

O rio não passa pelos rapazes do rio.
O rio passa só pelas pedras.
E, no entanto, o rio passa e as pedras ficam.
E, no entanto, o rio não passa e os rapazes mudam.
O rio não passa e passam os rapazes.
O rio passa e não passam as pedras.
As pedras do rio duram milhares de anos.
Os rapazes duram décadas. Décadas que nem o rio nem as pedras saberão contar.
Há um rapaz do rio que diz “quem me dera ser pedra”. Só para ver o rio passar. E os rapazes de décadas em mim sentar sem ver o rio passar.
E há uma pedra que pensa “quem me dera ser rapaz”. Só para mudar sem o rio passar. E sentar numa pedra milenar sem ver o rio passar.

Ainda não percebi se quero ser rapaz ou pedra.

 

2014